sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Grandes múltis de alimentos exigem fim do desmatamento

Um grupo de 11 grandes companhias globais ligadas ao setor de alimentos, incluindo Nestlé, Danone, Carrefour e Tesco, comprometeu-se ontem a acabar com o desmatamento em suas cadeias de fornecimento e apoiou uma ação da União Europeia para impor rastreabilidade nas commodities importadas que entram no mercado comum.

Em comunicado, o grupo, que inclui empresas de toda a cadeia de valor – de fornecedores a fabricantes e varejistas -, diz que “o desmatamento continua em taxas alarmantes” e que o problema, além de ter impactos sobre o clima, também leva à perda de biodiversidade e acentua o crescente risco de pandemias.

Além de Nestlé, Danone, Carrefour e Tesco, assinam o comunicado Barry Callebaut (fabricante de chocolates), Jeronimo Martins, Kering, L’Occitane, Metro, Reckitt e Sainsbury’s.

O Brasil não é citado expressamente no comunicado, mas está sob forte pressão no exterior diante da percepção de que a política ambiental do governo de Jair Bolsonaro é nociva. Nesse contexto, exportadores brasileiros tendem a enfrentar crescentes questionamentos sobre a origem e a qualidade de seus produtos.

O movimento das companhias antecede uma diretriz que a UE deverá lançar no mês que vem para proteger as florestas tropicais e incentivar o consumo de commodities de cadeias de abastecimento livres de desmatamento. Basicamente, será uma forma de responsabilizar as empresas importadoras na Europa pelos danos que vierem a ser causados por negligência em suas relações comerciais com terceiros países.

As medidas mais mencionadas para o plano de ação europeu dizem respeito a rotulagem ecológica, certificação e due diligence. A expectativa é que as principais commodities enquadradas como ameaças ao desmatamento das florestais tropicais sejam soja, gado (carne e couro), milho, café, cacau, óleo de palma e borracha.

Em seu comunicado, o grupo de 11 grandes companhias globais pede uma “ação ambiciosa” da UE com o “aumento da transparência e a rastreabilidade da cadeia de fornecimento de commodities que podem estar ligadas ao desmatamento”.

Os signatários pedem à UE que adote medidas para aumentar o uso de tecnologias inovadoras para melhorar a rastreabilidade da cadeia de suprimentos e uma cooperação mais estreita com os países produtores para garantir que as florestas sejam protegidas e restauradas.

As empresas destacam que, além de alcançar cadeias de fornecimento transparentes, é necessária uma melhor ação coletiva de empresas, governos e sociedade civil para acabar com o desmatamento. “Essa ação coletiva será incentivada se houver um conjunto claro de regras que impulsione as empresas a adotar ações impactantes para proteger os direitos humanos e o meio ambiente”, diz o grupo.

“Um diálogo mais intenso entre os principais países consumidores e produtores, assim como a orientação dos fluxos de financiamento e investimento para atividades e cadeias de fornecimento sustentáveis, serão essenciais para garantir um sistema de comércio internacional justo”, acrescentam.

O comunicado de ontem baseia-se em documento de posição conjunta subscrito em dezembro de 2020 por mais de 50 grandes empresas e organizações sem fins lucrativos. Nele, apelam para a UE enfrentar “diferentes fatores que impulsionam o desmatamento e impactam a subsistência dos agricultores e suas comunidades”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.