domingo, 29 de maio de 2022

Exportações do agronegócio mineiro atingem valor recorde de US$ 10,5 bilhões

Confirmando expectativa, valor registra crescimento de 20,23% em relação ao ano anterior. O agro mineiro representou 27,5% das exportações do estado

As exportações do agronegócio mineiro confirmam as expectativas e fecham 2021 com o valor recorde de US$ 10,5 bilhões. Consolidado como o melhor resultado da série histórica para as exportações desde 1997, o valor registrou crescimento de 20,23% em relação ao ano anterior (US$ 8,72 bilhões) e 7,9% a mais que o segundo melhor resultado, quando a receita alcançou US$ 9,7 bilhões em 2011. Os dados mostram, ainda, que dos 28 grupos que compõem a pauta exportadora do agronegócio do estado, 93% obtiveram crescimento nas vendas na comparação com 2020.

O volume embarcado foi de 12,5 milhões de toneladas, registrando queda de 2,1% em relação ao ano anterior.  A ampliação da receita de vendas no contexto de redução do volume comercializado evidencia o fenômeno observado no decorrer de 2021: a alta na cotação dos produtos exportados. Em média, a tonelada foi negociada em cerca de US$ 841,18.

Para a secretária de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Valentini, os números trazem alento e esperança. “Neste momento de retomada das atividades em nosso estado, é um sinal de que o setor produtivo é capaz de contribuir muito para o nosso desenvolvimento”, afirma. O agronegócio mineiro representou 27,5% do total das exportações do estado.

De acordo com a sua avaliação, dentre os motivos que justificam o bom desempenho está o crescimento na demanda mundial de alimentos e o acesso a novos mercados. “Minas Gerais tem acompanhado esse movimento. Desde o início desta gestão, estamos trabalhando em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sede) na realização de eventos para diversificação e a divulgação dos produtos exportados. Ainda que a exportação de certos segmentos seja pequena, como é o caso de lácteos, o seu crescimento já mostra uma tendência e novas possibilidades”.

A secretária ressaltou, também, a confiança do setor produtivo na gestão. “Temos feito um trabalho integrado entre os vários órgãos do Governo de Minas que demonstram o compromisso do poder público em se mostrar parceiro daqueles que promovem o desenvolvimento do estado e isto traz confiança para o empreendedor.  Diferentes regiões contribuíram para esse resultado. São divisas que ajudam a melhorar não só a renda no estado, mas a qualidade de vida de todos os mineiros.”

Principais mercados 

A produção mineira chegou a 176 destinos. Os principais parceiros foram China (US$ 2,76 bilhões), Estados Unidos (US$ 1,2 bilhão), Alemanha (US$ 927 milhões), Itália (US$ 507 milhões) e Japão (US$ 473 milhões), que juntos, importaram 55,1% das vendas externas do setor. Todos os principais destinos registraram aumento das compras.

Café 

Principal produto da pauta de exportações do agronegócio mineiro, o café representou 42,4% do total comercializado no ano passado. Em 2021, o segmento registrou a segunda melhor receita com US$ 4,4 bilhões e 27,5 milhões de sacas embarcadas.

Mesmo tendo sido um ano de desdobramento da bienalidade negativa, houve incremento de 16,1% no valor das vendas e decréscimo de 3% no volume embarcado. Os Estados Unidos ultrapassaram a Alemanha na liderança das importações do café, posição tradicionalmente sustentada ao longo dos anos. No ranking dos principais compradores estão EUA (US$ 865 milhões), Alemanha (US$ 847 milhões), Bélgica (US$ 450 milhões), Itália (US$ 391 milhões) e Japão (US$ 340 milhões).

Soja  

O complexo soja (grão, farelo óleo) respondeu por 22,8% das exportações, com recorde tanto na receita, que alcançou US$ 2,4 bilhões (+33,3%), quanto no volume de 5,1 milhões de toneladas (+3,8%). As vendas do grupo foram lideradas pelo grão, que representou 87% da fatia das transações. A China manteve em alta sua demanda e adquiriu 70% dos grãos de Minas Gerais (US$ 1,7 bilhão e 3,7 milhões de toneladas).

Carnes 

As exportações de carnes também registraram recorde de vendas, com valores de US$ 1,2 bilhão e 351 mil toneladas. O crescimento da receita chegou a 14,4%% e foi impulsionado pela expansão das compras da China, com US$ 575 milhões e 131 mil toneladas. O segmento respondeu por 11,2% das exportações do agronegócio.

Todas as proteínas (bovina, frango e suína) obtiveram boa performance. No recorte bovino, as vendas foram de US$ 875 milhões e 177 mil toneladas. Durante todo o ano de 2021 as vendas foram crescentes, com exceção dos meses de outubro e novembro, devido ao embargo da China à carne bovina brasileira. Passado o ocorrido, o mês de dezembro voltou a registrar crescimento das vendas.

Outros produtos 

O Complexo Sucroalcooleiro atingiu a marca de US$ 1,51 bilhão e 3,6 milhões de toneladas. Todos os principais produtos desse segmento apresentaram valorização na receita: açúcar (+5,3%); álcool (+52%) e demais açúcares (+8,6%). Os principais destinos das exportações do complexo sucroalcooleiro foram China, Bangladesh, Nigéria, Marrocos e Argélia.

Outros segmentos também avançaram nas exportações como lácteos (44%), fibras e algodão (31%), produtos apícolas (133%), bebidas (172%), produtos oleaginosos (111%) e couros (87%).

Praticamente quase toda a pauta exportadora do agronegócio de Minas Gerais obteve incremento nas vendas, na comparação entre 2021 e 2020. Esse cenário indica que os esforços para a diversificação dos produtos exportados já vêm apresentando resultados significativos, tanto em números de produtos quanto na agregação de valor.

Confira a lista dos principais setores do agronegócio para exportação em 2021: 

1º Café (Verde, torrado, extratos e sucedâneos)

Valor embarcado: US$ 4,4 bilhões

Participação nas exportações do agro: 42,4%

Variação 2021-2020: +16,1%

2º Complexo Soja (Grão, farelo e óleo)

Valor embarcado: US$ 2,4 bilhões

Participação nas exportações do agro: 22,8%

Variação 2021-2020: +33,3%

3º Carnes (Bovina, de frango, suína e outras)

Valor embarcado: US$ 1,2 bilhão

Participação nas exportações do agro: 11,2%

Variação 2021-2020: +14,4%

4º Complexo Sucroalcooleiro (Açúcar, álcool e outros)

Valor embarcado: US$ 1,1 bilhão

Participação nas exportações do agro: 11%

Variação 2021-2020: +6,5%

5º Produtos Florestais (Celulose, madeira, borracha natural e gomas naturais)

Valor embarcado: US$ 734,5 milhões

Participação nas exportações do agro: 7%

Variação 2021-2020: +37,5%

6º Fibras e Produtos Têxteis (Algodão e produtos têxteis de algodão, demais fibras e produtos têxteis, confecções, tecidos de malha, lã ou pêlos finos e produtos têxteis, linho e produtos de linho, seda e produtos de seda, tecidos de malha) 

Valor embarcado: US$ 95 milhões

Participação nas exportações do agro: 0,9%

Variação 2021-2020: +30,8%

7º Rações para Animais 

Valor embarcado: US$ 88,2 milhões

Participação nas exportações do agro: 0,8%

Variação 2021-2020: +11,7%

8º Couros, Produtos de Couro e Peleteria 

Valor embarcado: US$ 63,5 milhões

Participação nas exportações do agro: 0,6%

Variação 2021-2020: +86,9%

9º Demais Produtos de Origem Vegetal 

Valor embarcado: US$ 57,8 milhões

Participação nas exportações do agro: 0,6%

Variação 2021-2020: +63,9%

10º Cacau e seus Produtos 

Valor embarcado: US$ 48,8 milhões

Participação nas exportações do agro: 0,5%

Variação 2021-2020: +55,2%

Fonte: Comex Stat/ME 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista01

Avicultura de corte brasileira chegou a novos e inéditos resultados em 2021

Revista do AviSite faz um balanço do ano de 2021 trazendo os números de alojamento de matrizes de corte, produção de pintos de corte, produção, exportação e disponibilidade de carne de frango e disponibilidade per capita aparente de carne de frango. Página 22.

revista02

Influenza Aviária: os reais perigos dos novos surtos de H5N1

Com o crescimento de casos da cepa H5N1 em todo o mundo, aumenta a preocupação em manter o Brasil livre da enfermidade. Portanto, especialistas alertam para a necessidade de manutenção dos programas de biosseguridade, avaliando potenciais fragilidades e mitigando riscos. Página 30.

revista03

Arroz é alternativa viável para reduzir custos de produção de suínos e aves

Estudos da Embrapa mostram que o arroz pode complementar ou substituir o milho na ração animal. Página 36.

Fotografias Noelly Castro

União Europeia sanciona lei que bane uso indiscriminado de antibióticos e estimula o bem-estar na criação animal

Brasil deve ser impactado em relação às vendas da avicultura. Expectativa é de efeito positivo em outros países, inspirando a modernização de leis que visem à promoção de sistemas mais éticos e sustentáveis e a mitigação dos riscos de resistência antimicrobiana. Página 56.

revista04

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

Estudos sugerem que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e, dessa maneira, influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais. Página 42.

Melina Bonato

Conceitos de imunonutrição aplicados a avicultura

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastante avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo usado efetivamente. Página 46.

frango (88)

Superdosagem de fitase proporciona bons resultados para combater miopatias em frangos de corte

A necessidade de resolver o problema associado à alta incidência de distúrbios metabólicos, como miopatias, tem atraído enorme atenção do setor. Página 48.

frango (45)

Impactos da ocorrência de Bronquite, Laringotraqueíte e Influenza Aviária na produção avícola brasileira

As infecções virais impactam as condições fisiológicas das aves, podendo provocar mortalidade e/ou morbidade, levando a alterações dos parâmetros produtivos. Página 50.