sexta-feira, 27 de maio de 2022

Estiagem muda fluxo de comercialização de milho no país 

Estudo da plataforma de commodities agrícolas Tarken mostra nova dinâmica de comercialização do cereal no mercado interno

A quebra da safra de milho em 2020/21 mudou o fluxo de comércio do grão no Brasil. Se anteriormente grande parte dos carregamentos saía do Centro-Oeste rumo aos portos do Sudeste, nesta temporada, o milho passou a ser direcionado ao mercado interno, principalmente a São Paulo e aos Estados do Sul, regiões com maior concentração de granjeiros e produtores de ração.

Segundo um estudo realizado pela Tarken, plataforma de comercialização de grãos no mercado físico, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, que antes alimentavam as rotas de exportação do país, passaram a suprir a demanda do mercado nacional de proteína e etanol a partir de meados de 2019/20. O movimento se intensificou no ciclo atual.

Para se ter ideia, o volume de milho transportado de Mato Grosso para Santa Catarina no acumulado deste ano até novembro somou 15,4 milhões de sacas, 78,4% mais que no mesmo período do ano passado. De Mato Grosso do Sul para Santa Catarina, o aumento foi de 186,8%, para 78,8 milhões de sacas.

O levantamento leva em consideração notas fiscais de transporte de sacas, mas a Tarken lembra que um mesmo volume pode ser transportado várias vezes no mesmo Estado, o que explica os números tão elevados. Além disso, também é importante considerar que os números absolutos mudam a cada temporada, ao sabor da colheita geral do país.

“Essas são as movimentações mais óbvias, mas o Paraná, por exemplo, que era muito abastecido por Mato Grosso do Sul, também recebeu muito milho de São Paulo. No Triângulo Mineiro, o fornecimento veio de Goiás”, diz Luiz Tângari, cofundador da Tarken.

Outra rota “surgida” com a quebra da safra foi a que leva milho da Bahia para Brasília e Pernambuco, em detrimento do Triângulo Mineiro. Segundo o executivo, grande parte da demanda desses locais por milho era suprida anteriormente pelo Maranhão, que também teve uma colheita menor em 2020/21.

Segundo o levantamento da Tarken, a quantidade de milho transportada da Bahia para Pernambuco aumentou mais de 1.700% entre as safras 2019/20 e 2020/21, para 99,32 mil sacas. Já as remessas de milho baiano para Minas Gerais diminuíram 77,6%, para 491,28 mil sacas.

Para elaborar o estudo, a Tarken analisou mais de 6 milhões de negociações reais de compra e venda de milho nos últimos três anos. Com base nas cidades de origem e destino, foram agregados os volumes de sacas de 60 quilos, em um modelo de rotas rodoviárias. Também foram analisadas as principais cidades compradoras e produtoras do país nesse período.

Além do fluxo de grãos, o sistema da Tarken, que utiliza inteligência artificial, permite ver os preços médios por cidade, ofertas mais próximas, opções de fechamento do negócio, taxas de ICMS e de frete médio. Entre os principais clientes da agritech estão produtores, granjeiros e pecuaristas.

Recentemente, a Tarken recebeu um aporte de US$ 3,5 milhões em uma rodada “seed”, que foi liderada pela Monashees e Maya. Também participaram o fundo Gilgamesh e os investidores-anjo Carlos Garcia, Pierpaolo Barbieri e Gokul Rajaram.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista01

Avicultura de corte brasileira chegou a novos e inéditos resultados em 2021

Revista do AviSite faz um balanço do ano de 2021 trazendo os números de alojamento de matrizes de corte, produção de pintos de corte, produção, exportação e disponibilidade de carne de frango e disponibilidade per capita aparente de carne de frango. Página 22.

revista02

Influenza Aviária: os reais perigos dos novos surtos de H5N1

Com o crescimento de casos da cepa H5N1 em todo o mundo, aumenta a preocupação em manter o Brasil livre da enfermidade. Portanto, especialistas alertam para a necessidade de manutenção dos programas de biosseguridade, avaliando potenciais fragilidades e mitigando riscos. Página 30.

revista03

Arroz é alternativa viável para reduzir custos de produção de suínos e aves

Estudos da Embrapa mostram que o arroz pode complementar ou substituir o milho na ração animal. Página 36.

Fotografias Noelly Castro

União Europeia sanciona lei que bane uso indiscriminado de antibióticos e estimula o bem-estar na criação animal

Brasil deve ser impactado em relação às vendas da avicultura. Expectativa é de efeito positivo em outros países, inspirando a modernização de leis que visem à promoção de sistemas mais éticos e sustentáveis e a mitigação dos riscos de resistência antimicrobiana. Página 56.

revista04

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

Estudos sugerem que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e, dessa maneira, influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais. Página 42.

Melina Bonato

Conceitos de imunonutrição aplicados a avicultura

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastante avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo usado efetivamente. Página 46.

frango (88)

Superdosagem de fitase proporciona bons resultados para combater miopatias em frangos de corte

A necessidade de resolver o problema associado à alta incidência de distúrbios metabólicos, como miopatias, tem atraído enorme atenção do setor. Página 48.

frango (45)

Impactos da ocorrência de Bronquite, Laringotraqueíte e Influenza Aviária na produção avícola brasileira

As infecções virais impactam as condições fisiológicas das aves, podendo provocar mortalidade e/ou morbidade, levando a alterações dos parâmetros produtivos. Página 50.