domingo, 29 de maio de 2022

Entidades e secretários gaúchos assinam manifesto para criação da RS FoodTech Alliance

Um grupo de entidades, em conjunto com secretários do Estado, assinaram na semana passada um manifesto firmando compromisso em formar uma rede chamada RS FoodTech Alliance, que buscará tornar o Rio Grande do Sul um polo de excelência quando o assunto é inovação em sistemas alimentares, cadeia que vem se consolidando no século XXI. O ato ocorreu dentro da programação do primeiro dia do South Summit Brasil, em Porto Alegre.

As foodtechs são empresas que inovam na forma de produção e consumo de alimentos e agregam valor aos setores agropecuário e gastronômico. Atualmente, há cerca de 30 startups no Rio Grande do Sul e 300 no Brasil, promovendo negócios associados à cadeia da alimentação.

O secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Domingos Velho Lopes, que participou da assinatura do manifesto, destacou que a Secretaria, sendo responsável pelo fomento e desenvolvimento de um segmento econômico que gera cerca de 40% do PIB gaúcho, se coloca como parceira para que esta iniciativa gere bons frutos. “Não poderíamos nos furtar de trabalhar qualquer item que venha incentivar inovação e tecnologia e a união de forças para o crescimento do Estado, sob o ponto de vista ambientalmente correto, socialmente adequado, de união de entidades e de fomento à atividade agrossilvipastoril como o principal mote das nossas atividades”, acrescentou Lopes.

O diretor executivo da Agência de Desenvolvimento e Inovação Local (Agil), Cristiano Zanin, um dos coordenadores deste movimento, explicou que a intenção da criação da RS FoodTech Alliance é aproximar os ecossistemas de inovação e de conhecimento, mapeando as startups ligadas aos alimentos e promovendo uma integração entre todos os atores. “Sabemos da importância do agro e da inovação, mas ainda não estão aprofundadas no Rio Grande do Sul as questões relacionadas às tecnologias voltadas aos alimentos, as Foodtechs, que são uma vertente muito importante, capaz de gerar mais valor agregado à cadeia de alimentos no Estado”, avalia Zanin.

A RS FoodTech Alliance nasce agregando conhecimento de quatro polos do Rio Grande do Sul – Lajeado, Porto Alegre, Rio Grande/Pelotas e Santa Maria, envolvendo instituições como Tecnovates/Univates; Tecnopuc/Pucrs; Universidade Federal de Santa Maria; Embrapa Alimentos; Sebrae RS; secretarias estaduais da Agricultura (Seapdr), do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) e da Inovação, Ciência e Tecnologia (SICT), prefeituras e outras entidades.

Para o representante do Coletivo Sabores Urbanos, Rogério Carvalho de Assis Brasil, o Rio Grande do Sul larga na frente de outros estados ao criar esta rede de fortalecimento deste mercado. “O Rio Grande do Sul é expoente neste meio, trabalhando com alimentos do futuro, fazendo com que tenhamos uma infinidade de processos mitigados para levar cada vez mais alimentos saudáveis para a mesa dos brasileiros e do mundo”, acrescentou Assis Brasil, ao mencionar exemplos de startups que trabalham com beneficiamento do bagaço da azeitona, microencapsulação de probiótico, inserção de ômega 3 em produtos cárneos e hambúrgueres à base de plantas.

Além de mapear potenciais, a RS FoodTech Alliance pretende desenhar políticas e programas de apoio, buscar linhas de financiamentos e incentivar a criação e expansão de negócios inovadores em todas as áreas dos sistemas alimentares.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista01

Avicultura de corte brasileira chegou a novos e inéditos resultados em 2021

Revista do AviSite faz um balanço do ano de 2021 trazendo os números de alojamento de matrizes de corte, produção de pintos de corte, produção, exportação e disponibilidade de carne de frango e disponibilidade per capita aparente de carne de frango. Página 22.

revista02

Influenza Aviária: os reais perigos dos novos surtos de H5N1

Com o crescimento de casos da cepa H5N1 em todo o mundo, aumenta a preocupação em manter o Brasil livre da enfermidade. Portanto, especialistas alertam para a necessidade de manutenção dos programas de biosseguridade, avaliando potenciais fragilidades e mitigando riscos. Página 30.

revista03

Arroz é alternativa viável para reduzir custos de produção de suínos e aves

Estudos da Embrapa mostram que o arroz pode complementar ou substituir o milho na ração animal. Página 36.

Fotografias Noelly Castro

União Europeia sanciona lei que bane uso indiscriminado de antibióticos e estimula o bem-estar na criação animal

Brasil deve ser impactado em relação às vendas da avicultura. Expectativa é de efeito positivo em outros países, inspirando a modernização de leis que visem à promoção de sistemas mais éticos e sustentáveis e a mitigação dos riscos de resistência antimicrobiana. Página 56.

revista04

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

Estudos sugerem que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e, dessa maneira, influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais. Página 42.

Melina Bonato

Conceitos de imunonutrição aplicados a avicultura

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastante avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo usado efetivamente. Página 46.

frango (88)

Superdosagem de fitase proporciona bons resultados para combater miopatias em frangos de corte

A necessidade de resolver o problema associado à alta incidência de distúrbios metabólicos, como miopatias, tem atraído enorme atenção do setor. Página 48.

frango (45)

Impactos da ocorrência de Bronquite, Laringotraqueíte e Influenza Aviária na produção avícola brasileira

As infecções virais impactam as condições fisiológicas das aves, podendo provocar mortalidade e/ou morbidade, levando a alterações dos parâmetros produtivos. Página 50.