sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Em MT, integrados questionam critérios de empréstimos do BB

Decisão da Justiça no caso pode ter impacto sobre a concessão de crédito a agroindústrias no país

Uma disputa na Justiça entre produtores integrados de aves e o Banco do Brasil está gerando preocupação até para advogados que não têm nada a ver com o processo, mas que acompanham o segmento de crédito rural. De um lado, a Associação de Integrados da Perdigão (AIP) diz que o BB não respeita a Lei da Integração ao conceder financiamento para agroindústrias; de outro, o banco afirma que se submete apenas ao Manual de Crédito Rural.

A AIP entrou na Justiça para que o BB considere parâmetros técnicos e econômicos validados por Comissões de Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração (Cadecs) antes de financiar uma agroindústria integradora. Segundo afirmou a AIP ao Valor, empresas têm inflado números de rentabilidade para atrair produtores, que depois se deparam com custos maiores e remunerações menores.

A Lei da Integração (13.288 de 2016) estabelece que essas comissões, formadas por representantes dos integrados e da indústria para a qual fornecem os animais, são as responsáveis pela elaboração de projetos de viabilidade econômica para a obtenção de financiamentos. “O banco, segundo afirma no processo, apenas recebe os dados fornecidos pelas agroindústrias e elabora o projeto de financiamento, sem seguir o que diz a lei”, afirma a AIP, em nota. “[O BB] utiliza recursos públicos, como FCO, Inovagro e Moderagro, para financiar negócios sobre o qual se sabe a real viabilidade”.

Em sua defesa, o banco alegou que não está sujeito a essa lei e que os empréstimos são aprovados conforme critérios estabelecidos no Manual de Crédito Rural, do Banco Central. O Valor questionou o BB sobre como funciona o processo de empréstimo para agroindústrias integradoras, quanto emprestou a elas nos últimos anos e como a ação judicial poderia ter impacto sobre a concessão de crédito para o segmento no país. A instituição não respondeu.

A AIP é formada por avicultores de Nova Mutum (MT) que fornecem à BRF, empresa que nasceu da união entre Perdigão a Sadia. Procurada para comentar o assunto, a companhia de alimentos afirmou que não foi citada no processo e que, por isso, não comentaria as falas da AIP.

O assunto não está sendo discutido apenas entre advogados da AIP e do Banco do Brasil. O escritório Machado Meyer afirma acompanhar com atenção o processo porque uma decisão em favor da associação pode abrir precedentes para o mercado brasileiro de crédito rural.

João Reis, sócio do Machado Meyer, diz que, segundo informa o processo, a inadimplência do BB nessas operações é muito baixa, o que dificilmente ocorreria se a agroindústria realmente inflasse os números. Ele entendeu que a AIP está tentando tomar para si o papel de estabelecer critérios para financiamento rural, uma vez que as Cadecs são compostas por nomes que os integrados indicam. “Quem ditaria os critérios para o banco, portanto, seriam os próprios produtores”, avalia.

A AIP rebate e diz que só quer que a Lei de Integração seja cumprida. “[É] para que o produtor que decida investir na atividade saiba quais são as reais condições econômicas e técnicas, como por exemplo a real estimativa de remuneração e os custos de produção. Informações simples, que, porém, não temos”, afirma, em nota.

Reis explica que o caso ganhou outros contornos recentemente, quando o desembargador João Egmont Lopes deu ganho de causa à AIP e estendeu a decisão para todos os produtores integrados do Brasil. “A associação estava pleiteando em favor de seus próprios integrados”, comenta o sócio do Machado Meyer. Mas o presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, concedeu uma liminar a pedido do BB que suspendeu a execução de qualquer decisão antes que o caso termine de ser analisado no Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.