domingo, 7 de agosto de 2022

Demanda ‘verde’ na China é desafio ao agro

Para Sean Kidney, da Climate Bonds Initiative, mudança no consumo exige que Brasil se adapte

As exportações do agronegócio brasileiro à China continuam em expansão, e mesmo em momentos em que a economia chinesa cresce menos do que o previsto, como ocorreu no primeiro semestre deste ano, os embarques costumam se manter em rota ascendente. Sean Kidney, fundador e principal executivo da Climate Bonds Initiative, uma das mais importantes organizações não-governamentais de promoção de investimentos sustentáveis, acredita que a força da demanda chinesa tem ofuscado uma rápida transformação nos hábitos de consumo no maior parceiro comercial do Brasil. Essa constatação, argumenta, é um sinal de alerta especialmente para o agro.

“A sustentabilidade é uma preocupação cada vez maior na China, mas a extensão dessa mudança ainda não é uma coisa óbvia para o agronegócio brasileiro”, diz ele. “Há uma demanda incrível por produtos sustentáveis entre os chineses, e ainda não se deu a devida atenção a isso”.

Kidney conversou com o Valor durante uma viagem que fez à Grécia, de onde participará hoje, em transmissão por vídeo, do segundo Diálogo Brasil-China sobre Agricultura Sustentável, organizado pelo Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC). O rápido avanço do consumo “verde” entre os chineses, ressalva, não é um fenômeno de proporções nacionais – trata-se, afinal, do país mais populoso do mundo, com grande desigualdade de renda -, o que não reduz o impacto dessa transformação.

“A sustentabilidade é uma preocupação nas áreas mais ricas, onde moram 300 milhões de pessoas”, diz. “Essas regiões, mais perto da costa, têm um patamar de riqueza similar ao da Europa”.

Como os preços das commodities estão muito acima de suas médias históricas, o agro brasileiro está “ganhando dinheiro como nunca”, afirma Kidney. Mas, para ele, é improvável que essa aparente bonança prossiga indefinidamente.

“O segredo de economias que são bem-sucedidas no longo prazo não é a venda de commodities baratas. Veja o exemplo da Argentina, que era o país mais rico do mundo em 1910. Ao depender de um pico de curto prazo depois do outro (…), você luta para encontrar a prata em um ano, o ouro em outro. Isso não se sustenta”, raciocina ele. “É preciso fazer os investimentos corretos para garantir que a receita vai continuar a entrar na próxima baixa das commodities”.

Professor da SOAS University of London, de estudos sobre Ásia, África e Oriente Médio, ex-consultor do secretário-geral das Nações Unidas para o mercado de bônus verdes e consultor de projetos de finanças sustentáveis em países como China, Índia, México e Cazaquistão, Kidney tem reconhecimento internacional por sua dedicação à sustentabilidade. Ao mesmo tempo, suas manifestações parecem ter um pragmatismo que é caro ao universo financeiro.

Nesse aspecto, ele soa como uma antítese à falta de objetividade das ações de combate à crise climática (ao menos segundo muitos do críticos desses esforços, é claro). “Os Estados Unidos destruíram suas florestas, a Europa também, e o Brasil ainda não. Sim, é injusto que EUA e Europa critiquem [o Brasil nas questões ambientais], mas se há justiça ou não é irrelevante. Isso é bobagem. O meu ponto é: a questão ambiental é uma enorme oportunidade de negócio para o Brasil”, diz.

As oportunidades sobre as quais Kidney faz referência movimentam um mercado que só faz crescer. No ano passado, as emissões de títulos “verdes”, usados para financiar projetos de energia limpa, construção e transporte, ultrapassaram, pela primeira vez, a marca de US$ 500 bilhões – o equivalente a cerca de 50% mercado global dos chamados bônus “sustentáveis”, que somou US$ 1,1 trilhão em 2021, segundo relatório que a Climate Bonds Initiative publicou em abril. Criada em 2009, a organização tem entre seus fundadores a Fundação Rockefeller, a Fundação Gordon and Betty Moore, iniciativa filantrópica de Gordon E. Moore, um dos fundadores da Intel, e de órgãos ligados aos governos de Alemanha, Reino Unido e Suíça.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.