sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Consumo de carne cairá no Brasil e na Argentina, dizem FAO e OCDE

Na América Latina, a maior exportadora de commodities agrícolas do mundo, queda da renda da população acentua a fome

O consumo de carne bovina continuará em queda no mundo, sendo substituído pela carne de frango, inclusive no Brasil e na Argentina, segundo avaliaram a Agência das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em relatório publicado nesta semana sobre as perspectivas agrícolas para os próximos dez anos.

A estimativa é de que o consumo global de carne bovina aumente em mais 76 milhões de toneladas até 2031. No entanto, o consumo per capita vem caindo desde 2007 e poderá ter queda adicional de 2% nos próximos dez anos.

A região da Ásia e Pacífico é a única para a qual se projeta crescimento do consumo per capita de carne bovina nesse período, ainda que a partir de uma base baixa. Na China, o segundo maior consumidor mundial de carne bovina em termos absolutos, o consumo per capita deverá aumentar 10% até 2031, depois de ter crescido 50% na última década.

Mas, na maioria dos países com alto consumo per capita de carne bovina, a média deverá cair, com migração para carne de aves. Nas Américas e Oceania, por exemplo, regiões em que a preferência pela carne bovina está entre as mais altas no mundo, o consumo per capita deverá cair 2% no Brasil e no Canadá, 4% nos Estados Unidos, 5% na Argentina e, de maneira ainda mais significativa, na Oceania, para a qual FAO e OCDE estimam declínio de 15%.

Na América Latina, a provável diminuição do consumo deverá ser resultado, também, da diminuição da renda per capita, que encolheu 1,8% por ano na última década.

FAO e OCDE notam que a prevalência de subnutridos na região começou a crescer de novo. A partir de 2014, o impacto combinado de recessão econômica, deterioração das condições financeiras e disrupção nas cadeias de abastecimento aceleraram a tendência. Entre 2014 e 2020, o número de pessoas passando fome na América Latina aumentou 79%, e em 2020, 41% da população enfrentava moderada ou severa insegurança alimentar, segundo as duas organizações.

Em 2021, a pandemia aumentou a taxa de extrema pobreza na região para 13,8% (no ano anterior, a fatia era de 13,1%). Isso representou 13 milhões de pessoas a mais de pessoas na extrema pobreza, exacerbando a insegurança alimentar.

Ou seja, a região que é a maior exportadora de commodities agrícolas do mundo continua a enfrentar sérios problemas de fome em seus mercados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.