Confinamento  cresce 25,8% e deve seguir em alta em2022,diz Scot

Aumento mais forte neste ano ocorreu em Goiás, onde número de cabeças subiu 73,5%

O confinamento de gado cresceu 25,8% neste ano, de acordo com levantamento da Scot Consultoria feito em 191 propriedades, que representam 40% do total confinado no país. Estima-se que 2,09 milhões de animais tenham sido terminados no cocho nessas fazendas.

Ontem (25/11), durante a apresentação dos dados, o analista de mercado Hyberville Neto afirmou que a atividade deve crescer ainda mais em 2022, com custos de nutrição mais comedidos e preços da arroba firmes.

Neste ano, o crescimento mais forte ocorreu em Goiás, onde a alta foi de 73,5%, para 494,6 mil cabeças. Em Mato Grosso, o aumento foi de 54%, para 340,3 mil animais, e, em São Paulo, terceiro maior em volume, com 244,1 mil cabeças, o avanço foi de 15,5%. O Rio de Janeiro foi o único Estado em que houve declínio em comparação com o ano passado: a queda foi de 17%, para um total de 2,66 mil cabeças.

O presidente da Scot, Alcides Torres, destacou que, pela primeira vez em 30 anos, formaram-se filas em boitéis, enquanto confinamentos de pequeno e médio porte ficaram vazios. “Esses confinadores maiores conseguem ter mais escala e reduzir o custo da ração. Então, os menores mandaram o gado para os maiores”, disse, durante o evento de encerramento do projeto Confina Brasil.

Custos

O levantamento mostra que o custo médio de diária dos animais em confinamento ficou em R$ 15,70 por cabeça, alta de 65,5% em relação ao ano anterior. A consultoria atribui o cenário à alta dos concentrados, como milho, farelos, DDG e WDG. “A demanda aquecida, a menor disponibilidade de alguns componentes e o dólar em patamar mais alto deram sustentação às cotações dos insumos”, diz.

Nesse contexto de pecuaristas vendendo animais para serem terminados em outras fazendas, 28,3% das propriedades consultadas engordaram gado próprio e animais adquiridos de terceiros; 16,8% atuaram apenas comprando bois magros de outros produtores; e 50,8% confinaram somente os próprios animais.

Os dados da consultoria mostram, ainda, que 41,4% das propriedades adotaram também o semiconfinamento e que cerca de 214,1 mil animais passaram por esses sistemas. Assim, o total de animais criados em sistemas intensivos chegou a 2,3 milhões.

Um ponto importante é que a maior parte dos produtores, cerca de 90%, diz acompanhar os custos completos do confinamento na ponta do lápis. Outros 7,3% monitoram apenas as despesas diretas. A minoria (2,1%) sequer dá atenção aos custos da atividade.

Dieta

A dieta dos animais confinados é composta, em média, por 66,1% de concentrado (alimentos com baixo teor de fibras e alto teor energético) e 33,9% de volumoso (que apresentam teor de fibra bruta superior a 18% na matéria seca). As “dietas quentes” são mais populares, mas os pesquisadores da Embrapa que participaram do estudo dizem que os números oscilam de acordo com a região e com o preço de certos insumos.

Em Santa Catarina e no Rio Grande de Janeiro, por exemplo, a utilização de volumoso foi maior do que a de concentrado. Há propriedades nesses Estados que trabalham com pelo menos 60%.

De acordo com a Scot, nos confinamentos em que não há inclusão de volumoso, a ideia era aproveitar a fibra efetiva de ingredientes como o caroço de algodão, garantindo o mínimo necessário para o bom funcionamento ruminal.

Sistemas de integração lavoura-pecuária ou lavoura-pecuária floresta estão presentes em 58,1% das fazendas que trabalham com confinamento no Brasil, estima o Confina Brasil. Nos três Estados do Sul, o número é ainda maior, variando de 70% a 90,9%. Na lanterna, São Paulo tem apenas 25% de seus confinamentos com sistemas ILP ou ILPF.

Das fazendas que adotam sistemas integrados, ILP responde por 93,8%. A combinação mais comum, presente em 51,4% das propriedades, é soja, milho e pastagem.

A tecnologia também está ganhando espaço na pecuária. Segundo o levantamento, 53,9% dos confinamentos contam com identificação individual dos bovinos com leitura eletrônica. Softwares de gestão operacional, formulação de dieta e gestão financeira são usados por 46,6%, 40,8% e 39,3% dos pecuaristas que participaram da pesquisa, respectivamente.

Dos produtores ouvidos, 9,4% disseram ter cocho com distribuição automatizada de ração, enquanto 8,9% contam com balanças eletrônicas para pesagem dos animais. Foram mencionados também drones para leitura de cocho e sistemas de automação de limpeza de dejetos nos currais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista AviSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista-ferraz

A Ferraz é uma empresa familiar 100% nacional e que iniciou suas atividades no ano de 1970. Em seguida, começaram a fabricar pequenas fábricas de rações farelada para granjas de aves de postura e também suínos. Atualmente, fornecem plantas completas tanto para produção de rações fareladas, extrusadas de 400 Kg a 16 toneladas por hora, peletizadas de 400 Kg a 30 toneladas por hora.

Revista-ricardo

Ricardo Santin, afirma: “Produção nacional de carne de frango pode alcançar entre 14,100 e 14,300 milhões de toneladas neste ano, elevação de 3,5% em relação a 2020. No recorte das exportações, a ampliação do volume embarcado é ainda mais evidente: até 10%. Consumo per capita será de 46 quilos de carne de frango”.

revista-qima

QIMA/WQS foi fundada em 1993, oferecendo soluções para a indústria de alimentos do campo à mesa por meio de certificações reconhecidas pela GFSI (BRCGS, GLOBALG.AP, SQF, IFS), segurança de alimentos, auditorias éticas, selos de qualidade, inspeções, treinamento e gestão da cadeia de fornecimento. Atualmente com sede em Charlotte, Carolina do Norte, com filiais no Brasil e México, fornecem serviços em todo o mundo.

revista-pluma

A Pluma Agroavícola sempre se destacou no mercado pela evolução e crescimento acima da média. Hoje, com 22 anos de fundação, a empresa atua em oito estados do Brasil, sendo Paraná (com sua sede em Cascavel), Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Pernambuco e Distrito Federal. Em 1999, quando a empresa foi fundada, eram apenas cinco funcionários; hoje, são mais de 2.300 colaboradores.

revista-cida

Duas datas muito importantes foram comemoradas nos meses de setembro e outubro ambas com forte relação com os segmentos de avicultura e suinocultura: O Dia Internacional da Conscientização sobre a Perda e o Desperdício de Alimentos (29/09) e o Dia Mundial da Alimentação (16/10) o qual faz alusão também a data de criação da Organização da Nações Unidas para alimentação e agricultura (FAO). Os setores avícola e suinícola conferem grande contribuição aos temas e trazem grandes benefícios a bem-estar população global e do planeta.

Revista-leandro

Sob a liderança da Ministra Tereza Cristina, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tem trabalhado comprometido com a agenda de abertura, manutenção e ampliação de mercados para os produtos do agronegócio brasileiro. Como resultado abrimos desde janeiro de 2019 até o presente momento, 178 mercados para diferentes tipos de produtos.

revista-edicao-salmonelas

Alberto Back e Vânia Bernardes, do MercoLab Laboratórios LTDA, Cascavel PR publicam artigo na edição de dezembro da Revista do AviSite, em que afirmam que grande desafio atual é o controle das salmonelas paratíficas, que representam os outros quase 300 sorotipos que podem infectar as aves, além da Gallinarum e Pullorum. “
“Controle das salmonelas paratíficas exige conhecimento, ação integrada na cadeia, monitoramento, uso de produtos anti-salmonela (ácidos, probióticos, prebióticos, extratos vegetais…), uso de vacinas, cuidados de ambiência, manejo e biosseguridade”, afirmam.

Capturar-8

Quem se dedicou à tarefa de analisar os balanços das duas principais empresas do setor no segundo trimestre de 2021 deve ter notado que, embora fortes concorrentes entre si, ambas apresentaram pelo menos um argumento em comum para justificar os fracos resultados do período: o encarecimento do custo de produção naquele que, provavelmente, é o momento mais difícil e desafiante da economia e do consumidor brasileiro. Página 62.

Open chat
Cadastre-se para receber os Informativos