sexta-feira, 1 de julho de 2022

Conexão dos elos da cadeia produtiva aumenta competividade do Agronegócio

Renata Vicentin*

No fim de abril o Banco Mundial divulgou relatório informando que a alta de preços de energia e alimentos no mundo veio para ficar e que o pico dos preços deve ocorrer durante esse ano e persistir até o final de 2024.

Num cenário de crise inflacionária, preço da energia nos últimos dois anos sendo o maior desde a crise do petróleo de 1973 e a alta nos preços de alimentos e fertilizantes é a maior desde 2008, a guerra na Ucrânia se tornou um fator para ampliar um problema que já tinha uma grande dimensão, aumentando os preços de commodities como nunca visto desde os anos 1970.

Nesse contexto o agronegócio precisa ter uma atuação inovadora e estratégica para a redução de custos na cadeia de fornecimento, incentivando o exportador e beneficiando o fornecedor com o desenvolvimento de uma estratégia colaborativa que permita ganhos em todos os elos da cadeia produtiva.

No Brasil os custos das commodities agrícolas atingiram recordes nos primeiros meses de 2022, segundo o IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Por aqui os preços dos produtos sofrem os mesmos reflexos de fatores globais, como os econômicos, os sanitários e os bélicos, além dos regionais, como a crise hídrica no Sul do País.

Globalmente, apenas em 2022 o valor da energia tende a aumentar em mais de 50%, mas que chega a 100% no caso do gás natural e 80% para o carvão. Já nos alimentos, um dos maiores aumentos deve ocorrer com o trigo, de 40%, enquanto na soja será de 20%.

Um bom exemplo desse aumento de preços acontece com o milho. A Ucrânia é uma das principais fornecedoras dessa commodity e tem um peso gigante para sua comercialização. Pressionado pela guerra, o milho registrou alta nos preços e aqui no Brasil a saca bateu os R$ 100,00 no primeiro trimestre do ano, recorde da série histórica iniciada em 1996 do Cepea/USP. Como comparação, no mesmo período do ano passado, a mesma saca custava cerca de R$ 85,00.

E ainda existe o fator China, que segundo informações do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos – USDA confirmadas pela Administração Nacional de Alimentos e Reservas Estratégicas de Pequim, deve controlar 69% das reservas de milho, 60% das reservas de arroz e 51% do trigo de todo o mundo já no primeiro semestre de 2022 – um estoque suficiente até o fim de 2023.

A Becomex conhece a fundo os desafios deste cenário e entende que uma maneira de potencializar a eficiência, margem, capital de giro e aumentar a competividade é a aplicação de uma gestão integrada e inteligente Regimes Especiais.

Uma estratégia integrada e inteligente ganha relevância em um cenário de alto custo de importação, comprometimento de margens e incerteza de contexto futuro. Existem fatores que não estão no controle dos importadores, por isso é importante que a agroindústria esteja atenta a parcerias estratégias e integração dos elos das suas cadeias produtivas.

Como os Regimes Especiais vigentes foram criados para aumentar a competividade das exportações brasileiras perante o mercado internacional e a crise bélica no Leste Europeu apresenta uma oportunidade de fornecimento que a Rússia e a Ucrânia perderam por conta da guerra, existe uma excelente oportunidade para o Agronegócio inovar a forma de planejar e fazer negócios.

É muito importante que as empresas busquem um maior aproveitamento dos benefícios fiscais, monetizando créditos tributários e incrementando seu fluxo de caixa.

Renata Vicentin é Gerente de Contas Estratégicas da Becomex
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.