sexta-feira, 1 de julho de 2022

Com o aumento do milho, estado do Sul que tiveram quebra da safra terão que importar o grão

Depois de sete meses abaixo deste valor, os preços do milho voltaram ao patamar de R$ 100,00/saca

Depois de sete meses abaixo deste valor, os preços do milho voltaram ao patamar de R$ 100,00/saca no mercado físico dos três estados do Sul nesta semana, destaca a TF Consultoria Agroeconômica. “As grandes perdas de produção, causadas pela seca que se repetiu nesta safra estão fazendo os preços voltarem a subir”, explicam os analistas de mercado.

A quebra de safra no Rio Grande do Sul, de 3,4 milhões de toneladas (MT) deverá ser maior do que a colheita (2,5 MT). Com isso, serão exigidos novamente grandes volumes de importação de outros estados e até do exterior, que passou de 2,5 MT para 5,0 MT, alerta a TF. Segundo eles, também o estado de Santa Catarina, que já tinha um déficit natural de 3,5 MT, com a quebra da sua safra passou a ter uma necessidade de importação ao redor de outros 5,0 MT.

“O Paraná também está tendo quebra de safra e, apesar de ser o único estado que tem duas grandes safras, de verão e de inverno, muito provavelmente terá que importar alguma coisa de outros estados porque teve quebra na sua Safrinha de inverno em 2021, só devendo se recompor a partir de junho, quando colher a Safrinha de 2022”, acrescentam os especialistas.

“Por todos estes motivos os preços estão subindo. Mas, devemos alertar que esta alta deverá ter um limite. Há muito milho disponível em Goiás (3,07 MT) e no Mato Grosso do Sul e que chegam em SC e no RS a preços mais competitivos do que a importação. Quando este quadro se inverter, os preços poderão se estabilizar. São estes os parâmetros que os compradores deverão ter para definir os preços daqui para frente”, conclui a equipe de analistas de mercado da TF.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.