domingo, 29 de maio de 2022

Cobb-Vantress defende conforto térmico no incubatório para melhor desempenho das aves

O médico veterinário e especialista em Incubação da Cobb-Vantress na América do Sul, Guilherme Seelent, apresentou cuidados no manejo das aves desde o incubatório até o transporte e seus impactos ao longo de toda a vida produtiva dos animais

Na avicultura, o resultado de um lote já começa a ser definido desde o momento da incubação dos ovos e vai até o transporte e alojamento dos pintinhos. Um bom manejo dos pintinhos vai resultar em aves mais resistentes. Por isso, o médico veterinário e especialista em Incubação da Cobb-Vantress na América do Sul, Guilherme Seelent, enfatiza a importância de utilizar equipamentos e técnicas que garantam as melhores práticas de bem-estar animal. “Qualquer estresse, mesmo que seja por pouco tempo, pode ser prejudicial. Isso se torna ainda mais relevante quando nos referimos a pintinhos produzidos sem uso preventivo de antibióticos”, reforçou.

Guilherme Seelent

Seelent explica que os pintinhos recém-nascidos não possuem plena capacidade de controlar sua temperatura corporal, portanto, dependem do bom manejo humano para terem conforto. É preciso ficar atento aos parâmetros de temperatura corporal (40º C a 40,6˚C) e evitar um sobreaquecimento. Em caso de sobreaquecimento, as aves vão evaporar água por meio de ofegação, prejudicando sua respiração, oferecendo um risco maior de desidratação e consequente perda de peso. Segundo ele, o sobreaquecimento é a causa mais comum de desidratação em pintinhos (perda de calor latente) e, para evitar que os pintos sobreaqueçam, o monitoramento da temperatura deve abranger as etapas do nascedouro, processamento, sala de pintos e, por fim, no recebimento dos pintinhos na granja.

Cuidados no nascedouro
No nascedouro há estratégias específicas, sendo as monitorias da temperatura de cloaca, com um termômetro retal, 12 horas antes do saque e no momento do saque, são cruciais. O médico veterinário enfatizou a importância da manutenção rígida por meio de estratégias e uso de equipamentos adequados, evitando dessa forma tanto o aumento da temperatura corporal quanto uma possível queda, que é igualmente prejudicial ao desempenho dos pintos.

Dessa forma, se faz necessária atenção aos ajustes finos ao longo das estações do ano. “O controle de redução da temperatura junto com a abertura dos dampers talvez seja a ferramenta mais eficiente no controle da temperatura dos pintinhos nos nascedouros”, mencionou, destacando que os equipamentos à disposição do incubador já são pensados para atender demandas diversas, especialmente com relação ao conforto térmico.

Sala de Processamento
O especialista da Cobb-Vantress ressaltou ainda que o cuidado deve ser estendido à sala de processamento para evitar sobreaquecimento. A temperatura no interior das caixas de transporte deve ser de, no máximo, 32ºC, sendo importante lembrar que a essa temperatura pode estar entre 6 e 12˚C (11 e 22˚F) acima da temperatura ambiente, ou seja, em sala com set-point de 24ºC, pode variar entre 30 e 36ºC. Por isso, é extremamente importante deixar espaço para que haja fluxo de ar entre as pilhas de caixas; como regra prática, o espaço entre as pilhas de caixas deve ser suficiente para que se possa andar por entre elas. Seelent também chamou atenção para o cuidado com a tampa das caixas.

“Se empilharmos dez caixas por pilha e a caixa de cima não tiver tampa, isso significa que 10% das aves estão passando frio ou 90% estão passando calor. A última caixa deve ser coberta com uma tampa ou com uma caixa vazia”, alertou. Da mesma forma, Guilherme Seelent destacou que a baixa umidade relativa do ar também acelera o processo de desidratação das aves. O ideal é manter a umidade relativa do ambiente em torno de 65% para manter a qualidade dos pintinhos.

Transporte
Assim como as etapas iniciais, o transporte merece cuidados especiais. É importante que os caminhões sejam adequados em questão de espaço, garantia de temperatura, circulação de ar, entre outros aspectos, bem como o motorista seja treinado para a atividade e possa acompanhar da sua cabine os indicadores de conforto do baú. “Um caminhão e acondicionamento das aves adequados, bem como um profissional comprometido no transporte fazem muita diferença”, garantiu Seelent.  Por fim, o desembarque deve ser rápido e os pintinhos precisam de acesso à água e ração de imediato. Caso sejam feitas amostragens de controle de qualidade e contagem, esses procedimentos devem ser realizados simultaneamente ao desembarque, por pessoal treinado.

Já o monitoramento de mortalidade por áreas do caminhão vai ajudar a projetar correções futuras no transporte. “O comportamento dos pintinhos é uma das melhores ferramentas para avaliar as condições climáticas e o conforto das aves. Os pintinhos deverão mostrar-se calmos, respirando normalmente pelas narinas, com pouco ruído social e distribuídos uniformemente na caixa. Ao serem soltos no aviário, os pintinhos devem estar ativos, se distribuírem de maneira uniforme e procurando calmamente por água e comida”, concluiu o profissional da Cobb-Vantress durante palestra realizada no Simpósio de Atualização em Avicultura realizado virtualmente pela Facta.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista01

Avicultura de corte brasileira chegou a novos e inéditos resultados em 2021

Revista do AviSite faz um balanço do ano de 2021 trazendo os números de alojamento de matrizes de corte, produção de pintos de corte, produção, exportação e disponibilidade de carne de frango e disponibilidade per capita aparente de carne de frango. Página 22.

revista02

Influenza Aviária: os reais perigos dos novos surtos de H5N1

Com o crescimento de casos da cepa H5N1 em todo o mundo, aumenta a preocupação em manter o Brasil livre da enfermidade. Portanto, especialistas alertam para a necessidade de manutenção dos programas de biosseguridade, avaliando potenciais fragilidades e mitigando riscos. Página 30.

revista03

Arroz é alternativa viável para reduzir custos de produção de suínos e aves

Estudos da Embrapa mostram que o arroz pode complementar ou substituir o milho na ração animal. Página 36.

Fotografias Noelly Castro

União Europeia sanciona lei que bane uso indiscriminado de antibióticos e estimula o bem-estar na criação animal

Brasil deve ser impactado em relação às vendas da avicultura. Expectativa é de efeito positivo em outros países, inspirando a modernização de leis que visem à promoção de sistemas mais éticos e sustentáveis e a mitigação dos riscos de resistência antimicrobiana. Página 56.

revista04

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

Estudos sugerem que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e, dessa maneira, influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais. Página 42.

Melina Bonato

Conceitos de imunonutrição aplicados a avicultura

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastante avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo usado efetivamente. Página 46.

frango (88)

Superdosagem de fitase proporciona bons resultados para combater miopatias em frangos de corte

A necessidade de resolver o problema associado à alta incidência de distúrbios metabólicos, como miopatias, tem atraído enorme atenção do setor. Página 48.

frango (45)

Impactos da ocorrência de Bronquite, Laringotraqueíte e Influenza Aviária na produção avícola brasileira

As infecções virais impactam as condições fisiológicas das aves, podendo provocar mortalidade e/ou morbidade, levando a alterações dos parâmetros produtivos. Página 50.