quinta-feira, 7 de julho de 2022

Clima deve impactar preço dos alimentos este ano

Banana, milho e soja devem ser os produtos mais afetados pela irregularidade do clima. Arroz e trigo não devem ser afetados

A alimentação é responsável pela maior parte dos gastos das famílias brasileiras. Com o aumento da inflação, o consumidor tem sentido no bolso a alta dos preços. Segundo levantamento da inflação de abril, medida pelo IPCA-15, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) os alimentos ficaram 15% mais caros do último ano para agora.

E segundo a professora de Economia e especialista em agronegócio da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Nadja Heiderich, o fenômeno La Nina, que altera os regimes de chuva, deve impactar a produção de certos alimentos, encarecendo ainda mais alguns itens da cesta básica.

LA NINà

O La Niña é um fenômeno natural que consiste na diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico Tropical Central e Oriental, acarretando uma série de mudanças significativas nos padrões de precipitação e temperatura ao redor da Terra.

“O fenômeno natural já está ocorrendo há três anos e a previsão dos estudiosos do clima é que ele se estenda até verão de 2023. O resfriamento das águas dos oceanos tem impactos diversos no Brasil, impactando diretamente a produção agrícola do País. Em resumo, o clima fica instável: na região Sul pode haver geadas, no Sudeste e Centro-Oeste podem ocorrer secas e estiagens, enquanto no Norte e Nordeste o regime de chuvas pode ficar descontrolado, chovendo muito, ou muito pouco”, explica Nadja.

IMPACTO NOS ALIMENTOS 

Essa instabilidade no clima impacta a produção agrícola de diversas formas, e os produtores precisam lidar e prever como atenuar os prejuízos, já que a chuva, geada ou calor em momento inapropriado da produção atrapalham as colheitas.

“É possível que tenhamos elevação de preços no segundo semestre, por conta da seca nas regiões Sudeste e Sul. A fruticultura deve ser bastante afetada, com elevação dos preços, em especial, da banana. O milho também deve ser um dos cereais mais impactados, além da soja. A cana de açúcar é outro item que também deverá sofrer com o clima. Entre os alimentos quem não devem ter tanto impacto estão o arroz e o trigo”.

ESCASSEZ DE FERTILIZANTES 

A professora acrescenta ainda que a guerra entre a Rússia e a Ucrânia não deve afetar, a princípio, o acesso dos produtores brasileiros a fertilizantes, insumo essencial para a agricultura.

“Nosso país ainda precisa muito de insumos estrangeiros para a produção, especialmente fertilizantes. O conflito deixou em alerta o setor, visto que a Rússia é um grande produtor de fertilizantes. O Brasil tentou a princípio uma parceria com países do Oriente Médio e Canadá para garantir insumos, mas recentemente recebemos uma grande carga do material vindo da Rússia, então eu acredito que nesse quesito não teremos problemas”, finaliza.

A especialista: Nadja Heiderich é Doutora em Ciências (Economia Aplicada) na Universidade de São Paulo. Possui mestrado em Ciências (Economia Aplicada) pela Universidade de São Paulo (2012). Graduada em Ciências Econômicas pela FECAP (2008). Atualmente é professora no Centro Universitário FECAP e coordenadora do NECON FECAP (Núcleo de Estudos de Conjuntura Econômica). Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: meio ambiente, modelagem matemática, logística, agronegócio.

Nadja Heiderich
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.