sexta-feira, 1 de julho de 2022

Boi, suíno e frango vivos em novembro e na média dos 11 primeiros meses de 2021

As previsões – baseadas no IPCA-15, que neste mês aumentou 1,17%, a maior alta para novembro em quase duas décadas – são as de que este mês poderá ficar marcado como o de maior inflação de 2021. Mas se isto se confirmar, desta vez não será por culpa do setor agropecuário. Pelo menos se considerados os preços alcançados ao nível dos produtores.

Ou seja: excetuado o boi, cuja cotação no mês aumentou pouco mais de 8%, os demais itens analisados enfrentaram queda de preço em novembro, a maior delas atingindo o frango, com retrocesso superior a 9%. Na sequência vem o milho (-6,61%), o farelo de soja (-2,30%) e o suíno (-0,79%). Notar, porém, que mesmo o boi (que fecha novembro com cotação muito próxima do recorde de 2021) completa este mês com valor inferior aos alcançados entre fevereiro e setembro deste ano.

Em termos anuais, o resultado negativo se repete para suíno e farelo de soja. Este registra em novembro preço perto de 14% menor que o de um ano atrás. Já para o suíno a perda é significativamente maior, visto que o preço médio de novembro (em recuperação no final do mês, como é típico de todo período pré-natalino) deve ficar quase um quarto aquém do registrado no mesmo mês do ano passado.

Assim, as variações anuais positivas ficam restritas ao boi (+3,92%), milho (+6,33%) e ao frango (+19,54%).Mas enquanto os ganhos de boi e milho se tornam negativos frente à inflação do período, os do frango, embora positivos, permanecem ainda aquém da evolução dos custos.

Isto, aliás, fica mais visível ao se analisarem os preços médios alcançados nos 11 primeiros meses de 2021. O do frango está cerca de 47% acima do registrado em idêntico período de 2020, mas contínua bem aquém de seu principal insumo, o milho, cuja cotação média no ano é quase 60%superior à dos mesmos 11 meses do ano passado.

De toda forma, o desempenho do frango vem sendo melhor que o do suíno que, neste ano, é comercializado por valor que mal acompanha a inflação. Já boi e farelo de soja registram no ano evolução de preço muito similar, pouco superior a 36%.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.