quinta-feira, 7 de julho de 2022

Em 12 meses, África do Sul registrou 145 surtos de gripe aviária e abateu 3,7 milhões de aves

A indústria avícola sul-africana ainda está lutando contra a gripe aviária de alto risco, forçando os produtores a sacificar milhões de aves.

Desde o primeiro surto de gripe aviária altamente patogênica (HPAI) em abril do ano passado, houve 145 surtos relatados no ano até março de 2022, afirma a Associação Sul-Africana de Aves (SAPA) em seu último.

Nos primeiros três meses de 2022, um total de 13 novos surtos foram relatados, informou a SAPA em seu boletim. Os produtores do Cabo Ocidental foram os mais atingidos, com 68 surtos relatados, seguidos por Gauteng e KwaZulu-Natal, que tiveram 39 e 18 surtos, respectivamente.

“A indústria de ovos no Cabo Ocidental sofreu as maiores perdas, com cerca de 30,6% de suas poedeiras afetadas pelo surto de H5N1”, disse a SAPA.

A indústria avícola não conseguiu quantificar as perdas financeiras incorridas como resultado da gripe aviária, disse Izaak Breitenbach, chefe do conselho de frangos da SA Poultry Association.

Embora não haja atualmente nenhum caso ativo, o risco permanece alto e os produtores foram aconselhados a permanecer em alerta máximo, disse ele.

“O último caso de gripe aviária que tivemos foi em fevereiro. Não há casos ativos no momento em galinhas, [mas] as aves selvagens ainda estão testando positivo para IA”, disse Breitenbach.

“Entramos no inverno; esperávamos que as aves selvagens fossem negativas agora porque passamos pelo verão, mas elas ainda são positivas. Então, isso nos diz que prevalece o risco de a doença atingir as aves novamente neste inverno”, disse ele.

“Todas as indicações são de que há um alto risco de ocorrência de surtos de HPAI na África do Sul no decorrer do inverno de 2022”, observa o relatório.

“A opinião internacional continua contrária à vacinação contra HPAI, portanto, as perdas para a indústria avícola serão altas se isso ocorrer”, afirmou.

O primeiro surto de gripe aviária, causado pela cepa H5N1, foi detectado pela primeira vez em uma granja comercial no leste de Joanesburgo, levando inicialmente a proibições de importação de vários vários países, incluindo Botsuana, Namíbia, Hong Kong, Essuatíni, Lesoto e Moçambique.

Desde o primeiro caso em abril de 2021, 3,7 milhões de aves foram abatidas, principalmente na indústria de ovos, onde 2,9 milhões de poedeiras foram sacrificadas. Na indústria de frangos de corte, 800.000 aves foram mortas. O número de aves mortas representa 2,6% do rebanho nacional da África do Sul, 9,6% do rebanho da indústria de ovos e 0,6% do rebanho de frangos de corte, segundo o relatório.

Até agora, os números da gripe aviária de 2021 apontam para um impacto mais leve na indústria avícola em relação ao que o setor experimentou em 2017, quando uma cepa diferente de gripe aviária atingiu os produtores de aves.

A cepa H5N8 por trás do surto de 2017 custou R$ 1,8 bilhão à indústria avícola e resultou no abate de cerca de 20% do rebanho nacional, ou 4,7 milhões galinhas. Na época, a África do Sul também experimentou uma escassez de ovos entre 20% e 50%, comentou Breitenbach.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.