sexta-feira, 1 de julho de 2022

Acordo do Metano na COP desafia a pecuária

Novo compromisso exigirá investimentos e financiamento

Assinado da COP26, em Glasgow, o Acordo do Metano, que estabeleceu o compromisso de cortar em 30% as emissões do gás poluente até 2030, gera para a cadeia produtiva brasileira desafios que só não são maiores do que os problemas causados pelo gás.

Como informou o Valor, esses desafios mantinham ministérios como o da Agricultura, do Meio Ambiente e das Relações Exteriores resistentes ao acordo, mas mesmo assim representantes do governo brasileiro na COP26 negaram que houve pressão dos EUA para que o país aderisse.

“Ninguém pressionou ninguém. O Brasil tem todo o interesse de participar e houve um chamado à adesão”, afirmou um representante do governo que participou das negociações. “Não tem o mínimo sentido ficar fora. Seria burrice”, afirmou.

Uma das considerações feitas pelo Brasil, que ao aderir ao acordo foi ter acesso aos recursos financeiros para incentivar práticas despoluentes. A participação também evita a exposição a “boicotes” e imposição de barreiras não tarifárias por parte de países importadores como os europeus, completou a mesma fonte.

Segundo esse integrante do governo, o tema estava “adormecido” nas instâncias técnicas dos países, mas houve um “chamado” do presidente americano Joe Biden. “Ele fez o apelo e todo mundo se mexeu”.

Para o membro da comitiva brasileira, há incompreensão e ignorância sobre o impacto da agropecuária nas emissões de metano. Segundo ele, a adesão ao acordo vai fortalecer mecanismos nacionais de incentivo à pecuária de baixa emissão de gases, como a adoção de integração com lavoura e floresta, terminação intensiva e o melhoramento genético, para enfrentar os problemas com “desassombro” e inovação.

“Antes de falarmos sobre a agropecuária, temos que falar nas emissões de setores como o de extração de óleo e gás, dos lixões, dos resíduos nas usinas”, disse. “Se o Brasil não assinasse esse acordo, ficaria como pária ambiental do mundo”. Para a fonte, é “papo furado” que o país deverá diminuir o tamanho do rebanho bovino e o consumo de carne para mitigar emissões de metano.

O Brasil espera que a COP26 proporcione avanços nas discussões sobre as metodologias de balanço das emissões e remoções de gases. “Se fala no quanto a pecuária emite, mas e quanto se remove? Precisamos ter o balanço entre o que é emitido e removido pelo setor. Temos que melhorar a metodologia, não está boa, porque justamente as remoções estão fora do balanço”.

Em comunicado oficial divulgado nesta quarta-feira (3), o governo federal reforçou que o compromisso global para a redução das emissões de metano e a declaração de florestas e uso da terra já fazem parte de iniciativas assumidas pelo país no âmbito do Compromisso Nacional Determinado (NDC) de mitigação de gases de efeito estufa, que inclui o fim do desmatamento ilegal.

Em nota conjunta, os ministérios da Agricultura, do Meio Ambiente e das Relações Exteriores reafirmaram que o Brasil é “parte da solução” para o enfrentamento das mudanças climáticas, mas não apresentaram números nem propostas para alcançar as metas individuais assumidas na conferência.

O documento ressalta que a adesão ao Acordo do Metano, “demonstra que o país já possui programas que tratam do tema”.

O governo destacou dois programas nessa área. O Plano ABC+, que tem como meta a redução da emissão de gases de efeito estufa, entre eles o metano, segundo  os ministérios. O objetivo é mitigar o lançamento na atmosfera de 1,1 bilhão de toneladas equivalentes no setor agropecuário até 2030.

Na área urbana, as Pastas destacaram a Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Programa Nacional Lixão Zero, que já contribuiu para o encerramento de 20% dos lixões desde 2019.

Embora tratada com naturalidade pelo governo, a adesão do Brasil ao Acordo de Metano reforça a urgência da materialização dos fundos de financiamentos internacionais para apoiar a ampliação do uso de tecnologias no campo, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Sem ter sido consultada previamente pelo governo sobre o tema, a entidade disse que a decisão deverá ser cumprida pelos pecuaristas, mas que vai atuar na formatação das metas individuais e setoriais para não sobrecarregar os produtores.

“Não há mais o que se falar de surpresa ou não com a adesão. A visão do setor é que temos que atender e cumprir esse esforço adicional. Mas para que haja o alcance, será fundamental o aporte de recursos financeiros e ferramentas de monitoramento”, disse Muni Lourenço, vice-presidente da CNA e chefe da delegação da entidade em Glasgow, ao Valor.

Para Guilherme Malafaia, pesquisador da Embrapa Gado de Corte e coordenador do Centro de Inteligência da Carne Bovina (CiCarne), de fato o Brasil precisará desenvolver, a partir do Acordo do Metano, uma pecuária mais intensiva e eficiente, de ciclo mais curto para abate, para reduzir emissões, e as novas exigências podem antecipar a exclusão de pecuaristas da atividade.

Responsável por um terço do gás poluente liberado na atmosfera, a agropecuária deverá adotar mais tecnologia e capacidade de gestão para alcançar as metas impostas pelo acordo assinado em Glasgow, segundo o especialista.

“A exigência de uma maior intensificação, aumento de produtividade e redução de ciclos produtivos irá impor uma maior necessidade de gestão e inteligência no negócio pecuário, talvez antecipando a tendência de exclusão de uma parcela significativa de pecuaristas que até 2040 não conseguirão acompanhar os avanços e as exigências socioambientais”, disse.

“Teremos um forte impacto nos sistemas produtivos, pois as emissões provenientes de esterco e liberações gastroentéricas do gado são responsáveis por uma parcela considerável das emissões de metano das atividades econômicas, algo em torno de um terço. Nesse caso, não dá para apelar para o carbono compensando no solo”, acrescentou.

Entre as megatendências apontadas pelo CiCarne para 2040, já estava a saída de produtores da atividade pecuária com impacto social relevante. Malafaia aponta, por outro lado, a existência de um portfólio de tecnologias disponíveis aos pecuaristas para atender tais demandas, como os sistemas integrados de produção, o melhoramento genético animal, o manejo e a recuperação de pastagens degradadas, os confinamentos e os aditivos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.