Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Segunda-feira, 20/11/2017
Siga-nos:
CLIPPINGS
Categoria: Empresas

São Paulo, 14/11/2017 |

Com adesão ao Refis, lucro da JBS caiu 64% no 3º trimestre



A adesão da JBS ao Programa Especial de Regularização Tributária - o chamado Refis - fez o lucro da empresa recuar no terceiro trimestre deste ano, apesar do desempenho operacional recorde no período.

No terceiro trimestre do ano, o lucro líquido da JBS somou R$ 323 milhões, queda de 63,6% ante os R$ 887 milhões do mesmo intervalo de 2016. Não fosse o Refis, o lucro da JBS teria mais do que dobrado, atingindo R$ 1,9 bilhão, informou ontem a empresa. No período, a receita líquida da JBS ficou praticamente estável - leve queda de 0,1% -, em R$ 41,1 bilhões.

No front operacional, os EUA só trouxeram boas notícias para a JBS, com redução de custos na compra de matéria-prima (gado bovino, sobretudo) e demanda aquecida por carne. Com isso, a margem do negócio de carne bovina da JBS USA, que contempla as operações na Austrália e Canadá, alcançou o maior nível da história da companhia, que está há dez anos no mercado americano.

Nesse cenário, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) da JBS atingiu o recorde de R$ 4,3 bilhões no terceiro trimestre. Na comparação com o mesmo intervalo de 2016, quando o Ebitda somou R$ 3,1 bilhões, o aumento foi de 37,4%. A margem Ebitda cresceu quase três pontos percentuais, saindo de 7,6% para 10,5%.

"Como já havia dito, está só no começo", afirmou, em entrevista ao Valor, o CEO da JBS USA, André Nogueira. À frente de negócios que respondem por 75% das vendas da JBS, o executivo acredita que, em 2018, as operações americanas devem bater novo recorde, uma vez que a demanda por carne deve seguir aquecida nos EUA, ao passo que o preço do boi cairá de 2% a 3%, de acordo com as projeções do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).

Além disso, o negócio na Austrália, que ainda enfrenta um cenário mais difícil devido à retenção do rebanho bovino, deve melhorar ao longo de 2018, ressaltou Nogueira.

Afora os fundamentos positivos de oferta e demanda previstos para 2018, a JBS também vislumbra ganhos de eficiência nas operações internacionais. "Ainda temos uns US$ 500 milhoes de melhoria interna [para realizar]", disse Nogueira.

No Brasil, o terceiro trimestre consolidou a recuperação da Seara, subsidiária que foi bastante afetada em 2016 pelo milho mais caro. Entre julho e setembro, a margem Ebitda da Seara atingiu 11,1%, ante os 7,3% vistos em igual intervalo de 2016.

Ao Valor, o presidente global de operações da JBS, Gilberto Tomazoni, ressaltou que a Seara voltou ao mercado publicitário, com inserções na TV. O marketing da Seara estava retraído ao menos desde a Operação Carne Fraca, comportamento que se manteve após a delação dos irmãos Batista. "E a Seara voltou a ganhar 'market share", comemorou Tomazoni, citando o aumento de 2,5% nas vendas de alimentos processados da subsidiária.

Na contramão da Seara, o negócio de bovinos no Brasil confirmou as estimativas pessimistas do mercado. No terceiro trimestre, o Ebitda da divisão totalizou R$ 72,5 milhões, redução de 78,6%. A margem Ebitda foi de apenas 1,4%, ante 5% no mesmo período de 2016.

Dentre todas as operações da JBS, a de carne bovina no Brasil foi a mais afetada pela delação dos controladores da empresa, gerando resistência nos pecuaristas e forte queda nas vendas - 31,4% no Brasil e 13,7% na exportações. Questionado, Tomazoni disse que pior momento já passou e que uma recuperação "gradual" está em curso. Ele ponderou que o negócio no Brasil só é responsável por 12% da JBS. "Essa é a vantagem de ter uma empresa diversificada", disse.

Na área financeira, a robusta geração de caixa e as vendas da Moy Park e dos ativos no Mercosul permitiram uma redução de R$ 4,8 bilhões na dívida líquida. O índice de alavancagem caiu de 4,16 vezes em junho para 3,42 vezes em setembro. É a menor alavancagem entre as companhias de carnes listadas na B3.

O processo de desalavancagem seguiu neste trimestre, com a entrada de R$ 786 milhões da venda da Vigor à Lala. Além disso, o CEO da JBS USA espera anunciar ainda este ano a venda da Five River, nos EUA.







Fonte: Valor
Autor: Luiz Henrique Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
ÚLTIMOS CLIPPINGS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: