Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Fórum
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Quinta-feira, 24/08/2017
Siga-nos:
CLIPPINGS
São Paulo, SP, 11/08/2017 |

BRF tem terceiro prejuízo trimestral seguido no segundo trimestre



Pelo terceiro trimestre consecutivo, a BRF ficou no vermelho. Dona das marcas Sadia e Perdigão, a empresa reportou nesta quinta-feira um prejuízo líquido de R$ 167,3 milhões no segundo trimestre. No mesmo período de 2016, a companhia havia lucrado R$ 31 milhões. A receita líquida da BRF somou R$ 8 bilhões, redução de 5,7% na comparação anual.

A BRF foi fortemente impactada no período pela Operação Carne Fraca. Deflagrada em 17 de março pela Polícia Federal, a investigação provocou uma série de embargos às carnes brasileiras. A empresa calcula que a Carne Fraca trouxe perdas de R$ 117 milhões.

Diante disso, a companhia também amargou uma diminuição de quase 40% no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês). Entre abril e junho, a BRF registrou um Ebitda de R$ 575 milhões, ante R$ 944 milhões no mesmo período de 2016. Com isso, a margem Ebitda da empresa caiu 3,9 pontos na mesma comparação, ficando em 7,2%. A queda do Ebitda, decorrente sobretudo da Carne Fraca, teve reflexos negativos nos índices de endividamento da BRF. No fim de junho, a relação entre a dívida líquida e o Ebitda em doze meses ficou em 4,90 vezes, ante 4,24 vezes em 31 de março.

Além da redução do Ebitda, a alavancagem também foi afetada pelo pagamento de R$ 556 milhões pelas aquisições internacionais da Invicta e da turca Banvit. A dívida líquida de R$ 310 milhões da Banvit também aumentou o endividamento da BRF.

No relatório que acompanha o balanço, a companhia reconheceu que o atual índice de alavancagem está “bem acima” do nível considerado ideal — de 2 vezes a 2,5 vezes.

Nesse contexto, o conselho de administração da BRF autorizou a empresa a vender até 13,4 milhões das ações que possui em tesouraria para fazer caixa. Aos valores atuais — as ações da BRF fecharam hoje a R$ 39,00 —, poderá obter até R$ 525 milhões com a venda desses papéis.

Paralelamente, o conselho da BRF também autorizou a empresa a firmar contratos de swap com um banco em valores equivalentes aos das ações em tesouraria. A partir desses swaps, a BRF receberá a variação do preço de suas ações e pagará ao banco um percentual do CDI mais um spread.

Na prática, a BRF quer evitar que a venda das próprias ações seja vista como um mau negócio, uma vez que a companhia adquiriu as próprias ações no mercado a preços mais elevados, o que chegou a gerar descontentamento em alguns conselheiros. Além disso, os swaps sinalizam que companhia aposta na alta das próprias ações, que caíram 44,5% desde o auge, em 2015.

No balanço do segundo trimestre, a BRF destacou a reversão da trajetória de perda de participação de mercado no Brasil. No período, houve ganho de 0,8 ponto percentual, com destaque para os embutidos, cuja fatia aumentou 3,5 pontos percentuais, o que pode ser visto como um avanço sobre a Seara, da JBS. No entanto, nem todas as categorias tiveram bom desempenho. Em pratos prontos, a BRF perdeu 2,7 pontos percentuais.



Fonte: Valor Econômico
Autor: Luiz Henrique Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
ÚLTIMOS CLIPPINGS











NOSSOS PARCEIROS
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail:
REVISTA ONLINE