Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Quinta-feira, 18/01/2018
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário
NOTÍCIAS
As carnes avícolas em três momentos: 2001, 2016 e 2026




Campinas, 20/07/2017 | 08:24

Fonte: AviSite | Autor: Redação

Reunindo dados extraídos do “OCDE-FAO Agricultural Outlook 2017-2026”, recentemente publicado, a tabela abaixo mostra, para uma comparação, a produção e o consumo das carnes avícolas em 2001 e 2016 (resultado preliminar), bem como as tendências para 2026 (objetivo básico do estudo da OCDE/FAO).

Na tabela foram compiladas não só as informações relativas à produção e ao consumo globais, mas também as atinentes aos quatro maiores produtores mundiais (EUA, China, Brasil e União Europeia). De quebra, incluíram-se os dados dos BRICS, bloco econômico do qual participam, além de Brasil e China, a Rússia, Índia e África do Sul.

Notar que embora a carne de frango seja o produto preponderante, os valores apontados referem-se às carnes avícolas em geral. Daí, por exemplo, a China – onde é intensa a criação de palmípedes – aparecer na tabela como segundo produtor mundial e com volumes muito próximos dos registrados nos EUA. O mesmo se aplica à União Europeia, onde a produção avícola é bastante diversificada e o volume produzido acaba sendo muito similar ao registrado no Brasil.

Naturalmente, o saldo apontado na tabela corresponde à diferença entre a produção e o consumo. Mas em países que nada importam – caso, principalmente, do Brasil; mas também dos EUA, que pouco importam – esse saldo corresponde ao volume exportado.

Analisando-se os números apresentados sob o ângulo das variações previstas para 2026, observa-se que o incremento projetado para o setor nestes próximos 10 anos (2017 incluso) é bastante modesto, girando em torno dos 13%. Isto, no entanto, não se aplica ao Brasil, para quem se visualiza expansão ainda menor, inferior a 1% ao ano tanto na produção como no consumo interno.

Em outras palavras, tudo indica – e o setor já deve ter percebido isso – que a fase áurea de expansão da avicultura brasileira no caso da carne de frango já ficou para trás. Isso, aliás, fica bem claro quando se compara a produção brasileira prevista para 2026 com aquela registrada em 2001: quase 120% de aumento, índice que deixa à distância os outros três grandes produtores e a própria produção mundial (expansão de 84,80%). Mas a maior parte do aumento brasileira agora é parte do passado.

É interessante observar, ainda, que as variações nos índices de produção e consumo apresentam – em geral – valores muito próximos. Exemplificando, a produção mundial em 2026 tende a crescer 84,80% em relação a 2001 – apenas 1,24 ponto percentual a menos que o crescimento previsto para o consumo (86,04%).

Isso, porém, não se aplica ao Brasil, onde o aumento de consumo previsto corresponde, aproximadamente, ao que é apontado para a China (+86,97%) ou, mesmo, para o consumo mundial (+86,04%). Porém, o índice de expansão sugerido para o consumo brasileiro (+82,30%) está 36,83 pontos percentuais abaixo do aumento de produção estimado para o País (+119,13%). Um indicativo da elevada dependência do setor ao mercado externo.


Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!






NOTÍCIAS RELACIONADAS

NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: