Sábado, 30 de Abril de 2016
Exportação

Indústria e agronegócio querem mais briga na OMC
Brasília, 20 de Maio de 2014 - O setor privado identificou 18 violações de regras internacionais que têm prejudicado a venda de produtos brasileiros no exterior e podem ser contestadas na Organização Mundial do Comércio (OMC). A lista de travas comerciais passíveis de questionamento inclui restrições sanitárias a carnes, barreiras técnicas à madeira e ao etanol, subsídios à agricultura que distorcem preços de commodities no mercado global e a exigência de declarações juradas de importação na Argentina.
Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), que fez o levantamento com base em diagnósticos de associações setoriais e pesquisa da própria equipe técnica, está na hora de o governo brasileiro adotar uma postura mais agressiva nos tribunais da OMC e partir para o ataque contra países que têm abusado de práticas desleais de comércio.
O gerente-executivo da unidade de comércio exterior da CNI, Diego Bonomo, afirma que boa parte das barreiras não é nova e nem pode ser atribuída à onda de protecionismo causada pela crise mundial. Mas antes, segundo ele, muitos obstáculos eram tolerados pelos empresários porque as commodities estavam em alta e os mercados - interno e externo - se mantinham aquecidos. "Como não há mais crescimento forte da economia global, as barreiras ficaram mais salientes, passaram a incomodar mais", afirma.
Desde 1995, quando a OMC ganhou seu formato atual, o Brasil já levou 26 disputas ao órgão de soluções de controvérsias em Genebra e tornou-se o quarto maior usuário do mecanismo. Bonomo nota que na última década, entretanto, houve uma pisada no freio e apenas cinco casos foram denunciados à entidade. A CNI cobra a retomada de uma postura mais ofensiva. "Para abrir mercados aos nossos produtos, os contenciosos têm que andar lado a lado com negociações de acordos comerciais. A estratégia de sucesso é fazer um mix entre essas duas ações. Nós já temos tradição e experiência na OMC. Só precisamos usá-las novamente a nosso favor."
O último foi apresentado contra o Japão, na última semana de abril, por subsídios dados pelo governo asiático à fabricação e à exportação de jatos que concorrem com aeronaves da Embraer. Por enquanto, ainda é um pedido de consultas, de esclarecimentos. Para tornar-se um "painel", o país precisa declarar-se insatisfeito e pedir arbitragem da OMC, a fim de resolver a disputa.
Outros 17 casos estão na mira dos empresários. Um deles envolve barreiras sanitárias da Indonésia à carne de frango brasileira sem amparo, na visão dos produtores, de estudos científicos ou análises de riscos consistentes. O vice-presidente de aves da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, acusa a Indonésia de fazer exigências além das previstas no Codex Alimentarius (código internacional de padrão dos alimentos) e tem a expectativa de que essas barreiras possam ser contestadas pelo governo brasileiro na OMC ainda neste ano.
Segundo o executivo, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) já deu aval à ofensiva e o setor privado contratou a consultoria Barral MJorge para formular "mais de 200 questionamentos e pedidos de explicações" ao governo asiático. "Os trabalhos devem ser finalizados até o fim de junho", diz Santin, garantindo que o Itamaraty tem atuado em parceria com a ABPA no assunto.
Outro caso bem encaminhado é o que pretende contestar subsídios anunciados pela Índia a seus produtores de açúcar. No fim de 2013, Nova Déli prometeu ajuda de US$ 0,54 por tonelada para a exportação de até dois milhões de toneladas por ano. A União da Agroindústria Canavieira do Estado de São Paulo (Unica) fez estudos para avaliar o impacto desse apoio no mercado internacional. Concluiu que a subvenção pode gerar acréscimo de 3,5% na oferta mundial de açúcar. "Isso pode representar de 7% a 12% de redução dos preços praticados hoje", argumenta o diretor-executivo da Unica, Eduardo Leão.
Segundo ele, a commodity já vive um momento complicado e sua cotação caiu a quase metade dos preços recordes alcançados em 2011. Embora haja previsão legal, o subsídio indiano ainda não foi aplicado, mas o temor dos produtores brasileiros é que isso possa ocorrer a partir do segundo semestre. "Temos observado a situação muito de perto. É uma medida distorsiva e as nossas margens já estão bastante apertadas."
Um processo na OMC custa, no mínimo, entre US$ 1 milhão e US$ 2 milhões em despesas com consultorias e escritórios de advocacia. Casos mais simples levam de dois a três anos. E todo esse roteiro só começa se o governo "compra" a reclamação da iniciativa privada e aceita o eventual desgaste político de chamar um parceiro comercial para a briga.
É por causa desse desgaste que um questionamento brasileiro às barreiras protecionistas à Argentina, por exemplo, parece fora de cogitação. Mas Bonomo, da CNI, acredita que isso é excesso de zelo com o sócio do Mercosul. Ele e sua equipe mapearam 35 disputas na OMC envolvendo os membros do Nafta - Estados Unidos, Canadá e México. "E olha que o Nafta tem um mecanismo interno de solução de controvérsias muito mais robusto do que o do Mercosul".
(Valor Econômico) (Daniel Rittner)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 30/04
Sexta-Feira, 29/04
(14:12)
Receita líquida da BRF atinge R$ 8,1 bilhões no 1º trimestre (08:28)
Sem acordo comercial, Brasil perde competitividade na Ásia (08:01)
USDA: vendas semanais de soja de milho dos EUA avançam e surpreendem o mercado (07:45)
Milho: Mercado exibe ligeiros ganhos nesta 6ª feira em Chicago (07:44)
Aurora e Sebrae/SC promovem mais de 40 cursos para fornecedores da cadeia produtiva até dezembro (07:36)
Quinta-Feira, 28/04
Anunciada a programação científica do 11º Simpósio Técnico da ACAV (14:28)
Kátia Abreu e Nelson Barbosa acertam detalhes do Plano Agrícola e Pecuário (13:09)
BASF: Programa Creator Space terá continuação visando apoiar a inovação (10:55)
Desvet realiza palestra para a Granja Santa Marta (09:36)
Site do Grupo GTFoods é vítima de clonagem (09:20)
Pilgrim's Pride anuncia recall de produtos de frango nos EUA (08:51)
Sustentabilidade ambiental: estudo diz que pecuária pode superar papel de vilã (08:45)
Cargill abre vagas para representantes comerciais na área de Nutrição Animal (08:39)
ABPA mira China para expandir negócios de aves e suínos (08:31)
ABPA promove Workshop sobre Regime de Drawback (08:18)
Milho: nesta 5ª feira, mercado opera próximo da estabilidade em Chicago (08:00)
Quarta-Feira, 27/04
BRF importa milho do Mercosul e não avalia compras fora do bloco (10:46)
PIB do agronegócio cresceu 0,47% em janeiro, calculam CNA e Cepea (08:51)
Efeito do imposto zero na importação do milho é limitado, diz ABPA (08:33)
Receita líquida da Cargill no Brasil sobe 23% em 2015 (08:30)
Ana Maria Braga ensina três formas de fazer ovo poché (08:17)
Diretor da Aurora preside conselho da ABPA (08:16)
Kátia Abreu: “O mundo quer alimentos brasileiros” (08:15)
Quebra na safrinha de milho afeta preço em Chicago (08:00)
Milho: preços têm nova alta em Chicago e consolida 2º dia de valorização (07:50)
Plano Agrícola e Pecuário será lançado dia 4 de maio (07:27)
Terça-Feira, 26/04
Pela primeira vez em 2016, diminuem custos de produção de suínos e frangos (11:48)
Ceva anuncia Jorge Chacón na gerência de Serviços Veterinários no Brasil (10:26)
BRF adquire totalidade das ações da AFK, de Omã (08:49)
Clima adverso deve causar quebra da segunda safra de milho no país (08:40)
Entidades esperam continuidade de projetos do agronegócio em eventual governo de Temer (08:29)
Pesquisadores buscam em civilizações do passado o agronegócio do futuro (08:24)
Custos de produção de aves e suínos caem em março, puxado pelo farelo de soja (08:17)
USDA: plantio do milho avança para 30% e soja chega a 3% da área nos EUA (07:44)
Milho: em Chicago, mercado tenta consolidar 2º dia consecutivo de valorização (07:20)

Nossos Parceiros
basfMerial
CobbBiovet
AviagenAdisseo
YesHubbard do Brasil_Planalto
PetersimeCeva
Safeedsbayer